Dicas de brincadeiras que os papais podem fazer com os bebês

Até completar o primeiro ano, o bebê fica tanto tempo aos cuidados da mamãe, que, muitas vezes, o papai se sente inseguro ou desprovido de delicadeza para curtir seu pimpolho.

 Dessa forma, perde boas oportunidades de formar vínculos preciosos com o pequeno. Um bom começo para quebrar o gelo é ficar à vontade para curtir muitas brincadeiras com o nenê.

 “Acredito que a diversão seja um dos elementos mais importantes para a criação de uma criança emocionalmente saudável, pois é coerente com a natureza do cérebro em constante busca de estímulos”, afirma o psicanalista Paul Holinger, no livro O que os bebês dizem antes de começar a falar (Alegro).

 A mesma idéia é compartilhada pela coordenadora do Núcleo de Cultura, Estudos e Pesquisa do Brincar, da PUC/SP, Maria Angela Barbato Carneiro. Para ela, as brincadeiras entre pai e filhos ajudam as crianças a atingir todo o potencial de desenvolvimento motor, cognitivo, criativo e, especialmente, afetivo.

 “Esses contatos devem começar o mais cedo possível. Como? O pai pode responder aos sons do bebê, fazer carícias, sorrir, cantar, brincar de esconder e mostrar o rosto, bater palminhas”, sugere Maria Angela. O melhor caminho para saber se a alegria está no ar é observar as reações do pimpolho.

 “Em geral, as crianças pequenas respondem positivamente à estimulação do tato, da visão e da audição. Já os nenês mais velhos adoram ações um pouco mais ousadas, como ser levantados no ar e brincar de cavalinho”, lembra Holinger.

Para dar uma mãozinha aos pais de primeira viagem, mostramos aqui seis brincadeiras divertidas indicadas para as diferentes fases de desenvolvimento do bebê.

 1 mês

Cantorias e caretas

Neste início de vida, a visão do bebê alcança praticamente a distância dos olhos aos braços. Ele enxerga as cores, mas prefere os contrastes, por isso vai adorar ver os rostos bem pertinho do dele e perceber os detalhes.

 Olhe para seu bebê de jeitos diferentes, pisque, mude as expressões, mostre a língua, abra a boca. Entre cada movimento, faça uma pausa para ele assimilar e expressar uma reação, sugerem Linda Acredolo e Susan Goodwyn, no livro Sinais, a linguagem do bebê (M. Books).

 Enquanto faz caretas, aproveite para conversar e cantar em várias tonalidades. Distinguir as vozes familiares é um bom exercício para a audição em desenvolvimento.

 4 meses

Cadê o nenê?

Por volta dos 4 a 6 meses, o pequeno começa a compreender a relação de causa e efeito e a coordenar pensamento e ação. Já amplia as habilidades físicas e passa a se socializar mais.

 Aclássica brincadeira de esconder o rosto com um pano e perguntar “cadê o nenê?” e descobri-lo em seguida exclamando “achou!”, é forte candidata a se tornar a bagunça preferida a partir dos 5 meses.

 Também é de grande ajuda para o bebê assimilar a noção de que os pais ainda estão presentes, mesmo que não se encontrem totalmente no seu campo de visão.

 6 meses

Sabores do mundo

O bebê começa a levar à boca tudo o que alcança. Apesar da preocupação dos pais, essa é uma das formas como o filho experimenta o mundo.

 O jeito, então, é evitar que ele encontre no caminho objetos potencialmente perigosos. Mesmo que os primeiros dentinhos ainda não tenham surgido, ofereça-lhe mordedores em vários formatos e texturas.

 A diversão aqui é do papai, que observa os movimentos do pimpolho e ainda pode apostar com a mamãe quantos segundos o pequeno vai demorar para levar o brinquedo à boca.

 7 meses

Bate-palminha
Dentre as novidades da fase está a capacidade de reconhecer palavras familiares dirigidas ao pequeno.

 Brincadeiras com canções rimadas do tipo “Bate-palminha, bate” vão virar o hit da temporada.

 Embora a criança ainda não possa repetir as palavras, a cantoria dos pais vai dando um empurrãozinho para ela começar a falar no futuro.

 8 meses

Foi dada a largada

Agora o nenê se arrasta e engatinha para explorar tudo a sua volta. Além disso está adquirindo a capacidade de segurar objetos com os dedos.

 Estimule as novas habilidades do pequeno colocando um brinquedo fora de seu alcance e encoraje- o a se movimentar em direção a ele.

 Preste atenção para não tornar o desafio muito difícil. Ele vai se sentir um campeão ao conquistar o objetivo.

 1 ano

Bagunça e arruma

Uma grande idéia para estimular o bebê prestes a completar 1 ano é oferecer-lhe baús cheios de objetos para que os esvazie.

 Depois, peça para que guarde tudo de novo. Tarefas desafiadoras assim funcionam como excelente entretenimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *