FEBRE NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE

Afinal o que é a Febre? A febre é um sintoma decorrente de inúmeras respostas desenvolvidas por mediadores químicos numa cascata inflamatória, ou seja, é sempre decorrente de um processo infeccioso onde, no cérebro, eleva-se o ponto de regulação do mecanismo de termostato. O ser humano é homeotérmico, ou seja, sua temperatura média constante é sempre estável, variando entre 35,5 °C e 37,5 °C.  Considera-se febre quando a temperatura sobe a 38°C ou mais.  Existem várias formas de medir a temperatura, ressaltando novos aparelhos para tal fim, os quais são de uso auricular ou frontal, muito confiáveis, sendo digitais, atóxicos, dando resposta rápida e sendo de fácil utilização. O importante é dizer que, normalmente, a febre, em si, é de fácil manejo e não necessita ser tratada já que, na maior parte das vezes, não é prejudicial à criança. O seu desaparecimento espontâneo, em geral, é um sinal de que o processo infeccioso foi ou está sendo dominada. Quando falamos de infecção, as causas podem ser múltiplas. Viroses, estatisticamente falando, são as maiores causadoras de febre no público jovem e, em geral, são benignas. Evidentemente, não se pode descartar diferentes causas, tais como as infecções bacterianas, fúngicas e outras. Quando o seu filho tiver febre não se assuste! Em primeiro lugar, lembre-se de que febre é um sinal positivo de reação corpórea que está tentando combater a causa da mesma com os fortes e complexos mecanismos de defesa que existem nos organismos sãos. Bem pior são as infecções sem febre e que, às vezes, podem surpreender por sua velocidade. Combata a febre desconfortável, se for elevada, com compressas úmidas e banhos. Jamais use Álcool.  Ofereça líquidos em abundância e evite agasalhar excessivamente o seu filho. Só use antitérmicos, ou outra medicação sob a orientação do Pediatra. Em casos excepcionais, quando houver predisposição para quadros neurológicos, o antitérmico deve ser administrado no momento em que a temperatura atingir 37,5°C. NUNCA TENTE AUTOMEDICAR! Tenha a consciência de que o processo febril vai se limitar. Isso ocorre na grande maioria dos casos. Se não acontecer, passada 24 horas marque uma consulta com o seu médico de confiança que, após um minucioso exame, vai lhe dar a orientação apropriada para a cura do seu pimpolho.

Mario Leyser-  CRM 4568 pediatra

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *