RELAÇÃO SEXUAL NA GRAVIDEZ: MITOS E VERDADES

* Dr. Domingos Mantelli Borges Filho

Relação sexual durante a gravidez traz desconforto para a grávida? Machuca o bebê? Pode atrapalhar o desenvolvimento do bebê? Faz bem ou faz mal? De acordo com o ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli Borges Filho, não havendo contra indicações, o casal pode manter vida sexual normal, adaptando-se às mudanças do corpo feminino.

É comum uma alteração da libido feminina durante a gestação, por problemas psicológicos, mudanças hormonais ou pelos enjôos. Mas para algumas gestantes o “apetite” sexual aumenta, devido à ação dos hormônios da gestação que deixam a vulva e as mamas um pouco mais sensíveis.

O Dr. Domingos Mantelli desvenda o que é mito ou verdade sobre a relação sexual durante a gravidez. Veja:

A relação sexual pode machucar o bebê?

Mito. O colo do útero é bem fechado, não há como se chegar ao bebê e muito menos machucá-lo. O único cuidado que se deve ter é em casos de gestação com risco de abortamento, pois o esperma é muito rico em prostaglandina, substância que pode provocar contrações no útero. Neste caso, o ideal é usar preservativo evitando ejacular dentro da gestante.

A mulher grávida tem orgasmo normalmente?

Verdade. A mulher grávida pode ter orgasmo normalmente. Se isso não estiver ocorrendo, pode ter certeza de que há algum fator psicológico envolvido. Alguns casais optam por não ter relações sexuais com penetração, devido ao tamanho da barriga ou à proximidade com o parto, preferindo dedicar-se ao sexo oral ou a masturbação mútua, o que não causa nenhum problema.

Se ocorrer sangramento vaginal as relações sexuais devem ser evitadas?

Verdade. Caso haja sangramento vaginal, devem ser suspensas as relações sexuais até que a causa do sangramento seja determinada e até o seu obstetra voltar a liberá-la.

É comum o desejo diminuir nesse período?

Depende. De acordo com o ginecologista, isto pode ocorrer sim, assim como também pode ocorrer o inverso, aumentando a libido. O desejo sexual é multifatorial. Temos muitas variáveis como a mudança de postura da mulher, os medos, o excesso de trabalho, o estresse e as alterações hormonais. Todos estes fatores unidos, ou mesmo separadamente, podem sim, influenciar no desejo sexual  da gestante.

É verdade que após a relação sexual a gestante pode sentir contrações?


Verdade
. O útero é um órgão  ativo, formado por musculatura lisa e, portanto, pode se contrair regularmente, desde a primeira menstruação da adolescente até a menopausa. Ele é especialmente ativo durante a gravidez, podendo a gestante sentir contrações durante toda a gestação. Estas porém, não são contrações capazes de desencadear o trabalho de parto, e são chamadas de contrações de Braxton-Hicks.

Porém, após a relação sexual, se o homem ejacular dentro da vagina da gestante, sendo o esperma  rico em prostaglandina (uma substância que pode promover ainda  mais as contrações uterinas), estas contrações poderão ficar um pouco mais fortes. Daí evitar ter relações em casos de ameaças de abortamento ou trabalho de parto prematuro. Nesses casos o uso do preservativo durante as relações pode ajudar a amenizar as contrações uterinas.

*Dr. Domingos Mantelli Borges Filho  é Ginecologista e Obstetra

www.domingosmantelli.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *