MAU HÁLITO: ESTÔMAGO NÃO É O VILÃO

“A halitose pode denunciar a ocorrência de alguma patologia ou problema de saúde. Entretanto, pode também sinalizar alguma alteração fisiológica. É um sinal de que algo no organismo está em desequilíbrio, devendo ser identificado através de um correto diagnóstico e tratado adequadamente quando o problema torna-se crônico”, explica o médico e cirurgião geral Dr. Sérgio Barrichello (CRM-111.301), da Clínica Healthme gerenciamento de perda de peso.
Embora frequentemente responsabilizado pela alteração no odor do hálito, o estômago na grande maioria dos casos não tem nenhuma relação com a halitose. Segundo Barrichello esse é o maior mito em relação ao mau hálito. “As alterações estomacais, como a gastrite ou o refluxo, não podem ser responsabilizadas pelo mau hálito, pois temos um músculo entre o esôfago e o estômago que Limita a passagem de liquidos e gases para a boca, explica. Segundo o endoscopista, a associação que pode ser feita é entre halitose e jejum prolongado, já que quando o estômago passa muitas horas vazio um odor desagradável aparece.
A origem está na boca
A maior causa de halitose é oral já que a boca é o habitat de numerosas bactérias. Portanto, não escovar os dentes, a língua e não fazer uso de fio dental; cáries; placas bacterianas, próteses porosas que retêm resíduos; gengivite, estomatites, hemorragias gengivais, úlceras e retenção de sangue entre os dentes, estão entre as principais causas.
Existem outras causas extra orais: o uso de medicamentos, como antidepressivos, tranquilizantes, anti-histamínicos e descongestionantes, que produzem xerostomia, o que reduz o fluxo salivar; doenças como insuficiência renal, vários carcinomas, disfunções metabólicas e desordens bioquímicas; e alimentos, bebidas e cigarro.
É possível prevenir a halitose
Seguindo algumas dicas simples, você pode manter o seu hálito saudável. Mas atenção! Caso você já tenha halitose, é imprescindível realizar um tratamento com um profissional qualificado;
• Visite seu dentista regularmente;
• Preste atenção às suas gengivas;
• Leve uma vida saudável: pratique exercícios físicos, tome bastante água e tenha uma alimentação balanceada, com muitas frutas e verduras;
• Evite ficar mais do que 3 horas sem se alimentar;
• Evite alimentos muito gordurosos ou com odor muito forte. Quando você consumi-los, a possibilidade de ficar com halitose aumenta muito;
• Caso alguém já tenha reclamado do seu hálito, procure um especialista rapidamente.
Fonte – Médico cirurgião geral, especialista em emagrecimento Dr. Sérgio Barrichello (CRM-111.301), da Clínica Healthme gerenciamento de perda de peso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *